Quero um novo trabalho – preciso de um Headhunter ou de um Jobhunter?

Com o passar do tempo acredito que já se tem mais informações sobre o trabalho de um Headhunter de de um e Jobhunter, porém há ainda muita confusão. Desde que comecei a em Curitiba, há sete anos, recebi inúmeros contato de clientes com esta dúvida.

Headhunter é um profissional cujo cliente é a empresa, ou seja, é a Pessoa Jurídica que vai remunerá-lo para que ele encontre o melhor profissional no mercado e conduza o processo seletivo. Em hipótese alguma o Headhunter pode cobrar (financeiramente) do profissional que ele selecionou para participar do processo, pois neste caso este é apenas o candidato e quem o remunerou para encontra-lo foi a empresa que o contratou. O Headhunter também não faz assessoria para recolocação, pois neste caso ele teria que cobrar das duas pontas do processo e realmente fica em uma posição extremamente frágil e não isenta.

Já o Jobhunter assessora o profissional que está em busca de uma nova oportunidade no mercado. Existem duas possibilidades de contratação do Jobhunter: o próprio profissional em recolocação solicita o trabalho (pessoa física) ou a empresa que desligou o funcionário patrocina o processo de recolocação (pessoa jurídica). Nos dois casos o Jobhunter trabalha com o serviço de assessoria para recolocação do profissional (outplacement). Neste caso quem arca com os custos do processo é o próprio profissional que quer ser recolocado ou a empresa que patrocinou o processo para seu ex funcionário. Quando um Jobhunter indica os seus clientes para o mercado, ou seja, para Headhunters parceiros ou empresas ele não pode cobrar (financeiramente) da empresa ou dos Headhunters, pois já está sendo remunerado para atuar na recolocação do seu cliente.

Então você me pergunta: qual a melhor forma de remunerar o Jobhunter quando é a pessoa física que o contrata?

Eu sempre digo, existem vários modelos de contrato. Geralmente empresas que cobram 100% do primeiro salário e trabalham com grande volume de clientes e existem outras que cobram um valor inicial para conduzir todo o processo.

Eu, particularmente, trabalho com uma mescla entre estes dois formatos: a minha empresa que é especialista em recolocação cobra um valor inicial (não temos interesse em trabalhar com volume alto de clientes e sim manter a assessoria personalizada e ter uma equipe muito bem treinada e remunerada) mais um valor em caso de êxito. Dividimos sim parte do risco com o cliente.

Espero que esta explicação tenha ajudado e se você está em recolocação vai precisar manter contato com os Headhunters (não como clientes dos mesmos) e se quiser uma assessoria nesta jornada pode contratar os serviços de um Jobhunter, empresas e profissionais especialistas em recolocação (preferencialmente com vasta experiência na área, formação sólida e atuação anterior na área de Recursos Humanos, especialmente em Recrutamento e Seleção) e com vasta rede de contatos nas regiões em que atua. Eu, no início de carreira realizava somente trabalho para Curitiba e Paraná, com o passar dos anos fui construindo uma rede de contatos com Headhunters, profissionais de RH e Líderes em São Paulo e Santa Catarina, daí sim comecei a atender estes Estados. A maneira mais fácil de saber como é a networking de um Jobhunter é entrar no perfil do linkedIn dele e verificar quantas conexões ele possui.

Você pode se interessar por

Deixe um comentário